Na Evangelii Gaudium (A Alegria do Evangelho) o papa Francisco exorta ministros ordenados, pessoas de vida consagrada, cristãos leigos e leigas a anunciar o evangelho no mundo, com alegria. O texto é dividido em cinco capítulos, cada qual com seus subtítulos, totalizando 20 subtemas, incluindo as três reflexões na introdução. Um documento que merece ser lido, refletido, estudado, pessoalmente e na comunidade. Como um "aperitivo", apresento uma parte do todo, que está no 2º capítulo, "Na crise do compromisso comunitário". Este capítulo, com apenas dois subtemas, descreve alguns desafios do mundo atual e tentações dos agentes pastorais, que podem dificultar ou até evitar a evangelização. Apresento, aqui, uma das tentações refletidas na Exortação Apostólica (cf. n. 87-92). 

 

Sim às relações novas geradas por Jesus Cristo 

 

87. Neste tempo em que as redes e demais instrumentos da comunicação humana alcançaram progressos inauditos, sentimos o desafio de descobrir e transmitir a "mística" de viver juntos, misturar-nos, encontrar-nos, dar o braço, apoiar-nos, participar nesta maré um pouco caótica que pode transformar-se numa verdadeira experiência de fraternidade, numa caravana solidária, numa peregrinação sagrada. Assim, as maiores possibilidades de comunicação traduzir-se-ão em novas oportunidades de encontro e solidariedade entre todos. Como seria bom, salutar, libertador, esperançoso, se pudéssemos trilhar este caminho! Sair de si mesmo para se unir aos outros faz bem. Fechar-se em si mesmo é provar o veneno amargo da imanência, e a humanidade perderá com cada opção egoísta que fizermos. 

 

88. O ideal cristão convidará sempre a superar a suspeita, a desconfiança permanente, o medo de sermos invadidos, as atitudes defensivas que nos impõe o mundo atual. Muitos tentam escapar dos outros fechando-se na sua privacidade confortável ou no círculo reduzido dos mais íntimos, e renunciam ao realismo da dimensão social do evangelho. Porque, assim como alguns quiseram um Cristo puramente espiritual, sem carne nem cruz, também se pretendem relações interpessoais mediadas apenas por sofisticados aparatos, por telas e sistemas que se podem acender e apagar à vontade. Entretanto o evangelho convida-nos sempre a abraçar o risco do encontro com o rosto do outro, com a sua presença física que interpela, com seus sofrimentos e suas reivindicações, com a sua alegria contagiosa permanecendo lado a lado. A verdadeira fé no Filho de Deus feito carne é inseparável do dom de si mesmo, da pertença à comunidade, do serviço, da reconciliação com a carne dos outros. Na sua encarnação, o Filho de Deus convidou-nos à revolução da ternura. 

 

89. O isolamento, que é uma concretização do imanentismo, pode exprimir-se numa falsa autonomia que exclui Deus, mas pode também encontrar na religião uma forma de consumismo espiritual à medida do próprio individualismo doentio. O regresso ao sagrado e a busca espiritual, que caracterizam a nossa época, são fenômenos ambíguos. Mais do que o ateísmo, o desafio que hoje se nos apresenta é responder adequadamente à sede de Deus de muitas pessoas, para que não tenham de ir apagá-la com propostas alienantes ou com um Jesus Cristo sem carne e sem compromisso com o outro. Se não encontram na Igreja uma espiritualidade que os cure, liberte, encha de vida e de paz, ao mesmo tempo que os chame à comunhão solidária e à fecundidade missionária, acabarão enganados por propostas que não humanizam nem dão glória a Deus. 

 

90. As formas próprias da religiosidade popular são encarnadas, porque brotaram da encarnação da fé cristã numa cultura popular. Por isso mesmo, incluem uma relação pessoal, não com energias harmonizadoras, mas com Deus, Jesus Cristo, Maria, um Santo. Têm carne, têm rostos. Estão aptas para alimentar potencialidades relacionais e não tanto fugas individualistas. Noutros setores da nossa sociedade, cresce o apreço por várias formas de "espiritualidade do bem-estar" sem comunidade, por uma "teologia da prosperidade" sem compromissos fraternos ou por experiências subjetivas sem rostos, que se reduzem a uma busca interior imanentista. 

 

91. Um desafio importante é mostrar que a solução nunca consistirá em escapar de uma relação pessoal e comprometida com Deus, que ao mesmo tempo nos comprometa com os outros. Isto é o que se verifica hoje quando os crentes procuram esconder-se e livrar-se dos outros, e quando sutilmente escapam de um lugar para outro ou de uma tarefa para outra, sem criar vínculos profundos e estáveis. [...] É um remédio falso que faz adoecer o coração e, às vezes, o corpo. Faz falta ajudar a reconhecer que o único caminho é aprender a encontrar os demais com a atitude adequada, que é valorizá-los e aceitá-los como companheiros de estrada, sem resistências interiores. Melhor ainda, trata-se de aprender a descobrir Jesus no rosto dos outros, na sua voz, nas suas reivindicações; e aprender também a sofrer, num abraço com Jesus crucificado, quando recebemos agressões injustas ou ingratidões, sem nos cansarmos jamais de optar pela fraternidade. 

 

92. Nisto está a verdadeira cura: de fato, o modo de nos relacionarmos com os outros que, em vez de nos adoecer, nos cura é uma fraternidade mística, contemplativa, que sabe ver a grandeza sagrada do próximo, que sabe descobrir Deus em cada ser humano, que sabe tolerar as moléstias da convivência agarrando-se ao amor de Deus, que sabe abrir o coração ao amor divino para procurar a felicidade dos outros como a procura o seu Pai bom. Precisamente nesta época, inclusive onde são um "pequenino rebanho" (Lc 12,32), os discípulos do Senhor são chamados a viver como comunidade que seja sal da terra e luz do mundo (cf. Mt 5,13-16). São chamados a testemunhar, de forma sempre nova, uma pertença evangelizadora. Não deixemos que nos roubem a comunidade! 

 

Pe. Juarez Albino Destro, RCJ

 

 




Mensagem do Papa Francisco ao Capítulo Geral
"Ao Reverendíssimo Padre Bruno RAMPAZZO Superior Geral dos Rogacionistas do Coração de Jesus ...

Mensagem de Páscoa do Superior Provincial
Mensagem de Páscoa do Superior Provincial Começa um novo ciclo... (Cf. Jo 20, 1). Era o Primeiro Dia da ...

Mensagem do Superior Provincial
 “Fala com Sabedoria, ensina com Amor” (Provérbios 31, 26)        &nb...

Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da VC
"SANTA MISSA COM OS MEMBROS DOS INSTITUTOS DE VIDA CONSAGRADAE DAS SOCIEDADES DE VIDA APOSTÓLICA Dois anci&atild...

O Natal é a concretização do grande Bem de Deus para a humanidade
 Mensagem de Natal Aos Rogacionistas À Família do Rogate    O Natal é a concreti...

Missão é um privilégio, uma graça
Depois de 13 anos fora do Brasil (Argentina, Paraguai e Angola), retornei para um novo ciclo: missão no sert&atil...

Mensagem do Superior Provincial
“Dedicarei para esta oração incessante todos os meus dias e todas as minhas intenções&...

Mensagem de Páscoa do Superior Provincial
“Jesus de Nazaré foi ungido por Deus com o Espírito Santo... Ele andou por toda a parte, fazendo o...

Mensagem de Natal do Superior Provincial
Natal do Senhor Ano 2020    “O povo, que andava na escuridão viu uma grande luz...” (Is ...

FESTA DE SANTO ANÍBAL MARIA DI FRANCIA
  FESTA DE SANTO ANÍBAL MARIA DI FRANCIA   Quem é o homem que foi chamado de Santo, quando fa...

Mensagem para o Dia Mundial da Vida Consagrada
    Na Festa da Apresentação do Senhor, vimos dirigir uma prece de gratidão a Deus por co...

Mensagem de Natal do Superior Provincial
Mensagem de Natal - 2019   “Eu vos anuncio uma grande alegria...” (Lc 2, 10).   Coirmãos...




 1 [2][3][4][5][6] próxima »